Luiz D’Orey nasceu em 1993 no Rio de Janeiro e mudou-se para Nova York em 2012. Sua
prática se constrói a partir da pintura - e seus possíveis desdobramentos - e investiga
circulação da informação no espaço fisico e virtual. Graduou-se bacharel em Belas Artes pela
School of Visual Arts em 2016. Durante os quatro anos como aluno na SVA, d’Orey recebeu os
prêmios 727 Award (2016), Sillas H Rhodes Award (2016) e Gilbert Stone Scholarship (2015), e
em 2016 foi selecionado para representar a instituição na Pulse Art Fair em Miami. D’Orey
trabalhou como assistente dos dois artistas Carlos Vergara e Raul Mourão.

Seus trabalhos participaram de mostras coletivas nos EUA, Europa e Brasil. Realizou sua
primeira exposição individual Quase Plano (2017) na Galeria Mercedes Viegas no Rio de
Janeiro, e foi sucedida pelas individuais Espaço Comum (2018) na Galeria Dotart em Belo
Horizonte, Brasil; Recent Ruins (2018) na Gitler & Gallery em Nova York; Rumor (2019) na Elga
Wimmer Gallery em Nova York; e Eu não falei? (2019) na Galeria Mercedes Viegas no Rio de
Janeiro, Brasil. Seu curta metragem Tapume, co produzido com Hugo Faraco, foi nomeado
para os festivais DOC NYC (EUA, 2018); Melbourne Documentary Film Festival (Australia,
2019), Lviv International Film Festival (Ucrânia, 2019), World of Film International Festival
(Escócia, 2019). Em 2019 d’Orey foi indicado ao Premio Pipa. Atualmente o artista é
representado pela Galeria Luciana Caravello em São Paulo e seu trabalho é parte da coleção
do Instituto PIPA. Reside e trabalha no Rio de Janeiro, Brasil.